Dicas e Roteiros

Parque Estadual do Marumbi


Localizado em pleno coração da Serra do Mar paranaense, o Parque Estadual do Marumbi resguarda muitas riquezas da Mata Atlântica brasileira. Para aqueles que gostam de atividades ao ar livre, é o local perfeito pois oferece tanto opções de trilhas e banhos de cachoeira, quanto escaladas em belíssimas paredes rochosas, com diversos níveis de dificuldade. Com 2.340 hectares, o parque foi criado em 1990 e é hoje um dos principais atrativos turísticos do Paraná.

O acesso ao parque só é possível por trem ou a pé. Para quem vai de trem o passeio já começa no ponto de partida, na cidade de Curitiba, onde se inicia a centenária ferrovia Curitiba-Paranaguá. Em quase duas horas de viagem descendo a serra, por dentro da mata e passando por túneis de pedra, chega-se à estação Marumbi, onde se localiza a administração do parque. Para chegar a pé deve-se seguir de carro pela BR-277, que vai pela estrada da Graciosa, até a cidade de Morretes, e de lá subir quase 10 km de caminhada, em estrada de chão. Para quem tem carro com tração nas quatro rodas é possível diminuir um pouco esse percurso.

Ao chegar no parque a primeira providência é preencher o cadastro de visitação, que permite ao administrador do Marumbi controlar o número de visitantes e sua localização, especialmente para o caso de acidentes. Este procedimento tem evitado acidentes e garantido um atendimento personalizado, visando a preservação da área e a segurança do visitante. Para pernoitar no parque a única opção é a área de camping situada na parte baixa, ao lado da administração.

O ambiente de montanha do Parque Marumbi é singular, podendo ser considerado bastante hostil. As vias de acesso aos seus cumes possuem características próprias e não se encaixam completamente dentro das definições de trilhas e escaladas conhecidas em países com maior tradição no montanhismo. São vias que passam por uma grande variedade de terrenos, apresentando várias dificuldades que devem ser superadas com técnicas diversas. Por isso, é recomendável sempre o acompanhamento de um guia experiente, de preferência que já conheça bem a região. O clima é tropical e a temperatura média anual é de aproximadamente 25ºC. Para as caminhadas a melhor época é entre abril e outubro, quando o clima é mais seco.

O ponto mais alto do parque é o Olimpo, também conhecido como Pico do Marumbi, com 1.539 metros de altitude. Ele faz parte do chamado Conjunto Marumbi, que é formado por mais sete picos: Boa Vista (1.500 m), Gigante (1.487 m), Ponta do Tigre (1.400 m), Esfinge (1.378 m), Torre dos Sinos (1.280 m), Abrolhos (1.200 m) e Facãozinho (1.100 m). Existem cinco trilhas de acesso ao Conjunto Marumbi e todas elas estão marcadas com fitas plásticas amarradas nas árvores, com diferentes cores. Além disso, junto à administração do parque há um mapa que orienta os visitantes sobre o percurso, distância e tempo médio de realização de cada uma das trilhas. Como a região é muito chuvosa, é recomendável sempre entrar em contato com o parque antes de fazer a visita para saber sobre as condições das trilhas à época. Eventualmente elas são interditadas para recuperação ambiental.

As trilhas Frontal e Noroeste partem da estação Marumbi (460 m.) e chegam ao cume do Olimpo (1.539 m). O caminhante enfrentará um desnível de cerca de 1.100 m, em trilhas de inclinação bem acentuada, que não sobem em curva de nível devido às características do relevo local. As trilhas seguem, na maior parte do tempo, dentro da floresta, sobre raízes e rochas. Em determinados locais existe exposição completa sobre abismos, em outros a subida só é possível com o auxílio de correntes ou escadas (degraus) de ferro fixado nas rochas. O tempo de subida varia de acordo com o preparo físico de cada um, sendo comum não se conseguir alcançar o cume a tempo e ter que iniciar a descida, sob o risco de perder o trem da volta, que parte do Marumbi às 16h30.

Para os que gostam de escalar, o Marumbi é um dos grandes centros de escalada em rocha do Brasil. As primeira vias começaram a surgir na década de 40 e hoje o parque conta com mais de 100 vias, com comprimentos que variam de 20 a 350 metros. A maioria das vias locais foram conquistadas por integrantes do Grupo Cosmo – Corpo de Socorro em Montanha, uma associação civil sem fins lucrativos criada em 1996. O grupo é formado por montanhistas voluntários que tem um trabalho reconhecido nacionalmente voltado para a prevenção de acidentes, resgate de acidentados, busca de perdidos, manutenção e conservação de trilhas e vias de escalada. Eles atuam como força auxiliar ao Corpo de Bombeiros do Paraná. Por conhecer muito bem a região e especialmente suas vias de escalada, o grupo é importante fonte de informação para aqueles que querem escalar no Marumbi (http://www.cosmo.org.br). Vale a pena entrar em contato com eles!

Marumbi com Trilhas & Rumos

Por ter atividades intensas, recomendamos nossos materiais mais técnicos para o Marumbi. Para os que vão passar vários dias e precisam levar muito material, uma boa opção é a cargueira CramponTech 77 Tech. Além de muito confortável, possui ajuste rápido da estrutura de apoio pelo Quick Fit System. Para os que vão escalar ou fazer trilhas de um dia, o ideal é levar uma mochila menor, de ataque, como a Crampon 38, que possui bolso frontal e acesso pelo fundo, além de bolsos laterais para colocação de cantis e bolsinhos menores na barrigueira para coisas pequenas.

Uma boa opção para quem vai acampar é a Barraca Cota 2. Feita em modelo iglu, oferece grande estabilidade quanto submetida a ventos fortes. É autoportante, com sobreteto integral e costuras seladas, com respiro para ventilação em dias de chuva. Possui versão com duas entradas, facilitando o acesso aos dois usuários da barraca.

Para uma boa noite de sono sugerimos o saco de dormir Micro Pluma, que possui apenas 1 kg de peso e agüenta temperaturas de até 0º C, suficiente para o clima do Marumbi. Possui sistema loose-shell, nome em inglês que significa que este saco não possui costuras na frente e atrás, para evitar perda de calor pelos microfuros feitos pelas agulhas da costura. . E para o isolamento térmico, uma alternativa boa é o Isolante Matratze Light, que pesa apenas 300g e possui uma face aluminizada que deve ser colocada em contato com o corpo, aumentando a proteção térmica.

Por ser uma região que esfria bastante, é importante ter em mãos um vestuário que suporte baixas temperaturas, como o Abrigo Thermotex. Feito em tecido tipo Polar, possui alto índice de isolamento térmico e pode ser usado sozinho ou por baixo dos abrigos impermeáveis (como o Abrigo Parkha, o Abrigo Anorak Storm ou o Abrigo de Tempo Anorak Selado). Possui uma versão especial para mulheres ou pessoas mais magras, o Thermotex Gazelle.

Outra sugestão para o roteiro, em relação ao vestuário, é o Abrigo Parkha Klima, que é composto por duas peças: um casaco interno de fibra polar e, por fora, um anorak. Tem a opção de se desmembrar em dois, nos momentos mais quentes. Possui impermeabilização para 1.200 mm de coluna d’água (importante para o Marumbi, onde chove muito), e reforço nos ombros e cotovelos, pontos mais expostos ao atrito.

 



Endereço: Rua Fernando Luz Filho, 112 - Teresópolis/RJ - CEP: 25954-195 (Não temos loja de fábrica) - CNPJ: 28.242.576/0001-84
2018 © Trilhas & Rumos - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Otmiza Agência Digital