O que você precisa saber antes de comprar seu saco de dormir – Parte 1


Antigamente, era comum levar cobertores para as expedições. Protegiam em algum grau do frio, mas ficava claro que a eficiência era baixa e por isso era necessário levar um volume grande de cobertores e agasalhos. Na época, a lã e as penas / plumas de ganso eram o que havia de melhor (na verdade, as plumas de ganso ou pato são até hoje consideradas muito eficientes, mas também muito, muito caras!). O que tornava a lã ou as plumas melhores que outras fibras? A sua capacidade de reter ar, um ótimo isolante térmico, que tornava possível minimizar a perda de calor do nosso corpo. Em outras palavras, essas fibras não “esquentam” nosso corpo, mas impedem que o calor do corpo se dissipe no ambiente.

 

A partir desse conceito, surgiram as fibras sintéticas ocas. Através de um processo industrial foi possível imitar a lã (mal comparando, é uma espécie de tubo fino, em que o ar fica encapsulado em seu interior. Esse ar encapsulado reduz a troca de calor e portanto torna a proteção contra o frio mais eficiente).

 

Outra maneira de melhorar o isolamento térmico é impedir a perda de calor por evaporação da umidade do corpo. No entanto, isso acarreta um problema: durante a noite, nosso corpo pode eliminar até meio litro de água, que se não puder passar pelas camadas isolantes vai se condensar próximo ao corpo, trazendo desconforto e diminuindo a proteção térmica, já que a água é um condutor de calor muito maior que o ar. Para resolver isso, os fabricantes sacrificam uma parte da capacidade isolante para permitir que essa umidade seja dissipada. Para se ter uma ideia, se você estiver numa situação de emergência em que seu saco de dormir não esteja oferecendo proteção suficiente contra o frio e tiver disponível um cobertor aluminizado de emergência (por exemplo, o Cobertor ref. 8235 ou o saco aluminizado ref. 9815, ambos da Coghlan´s), você pode envolver seu saco de dormir com ele, conseguindo até 5 graus Celsius a mais na proteção térmica. Entretanto, quase certamente você vai acordar com a roupa úmida, em especial na região do tronco, ou com a parte externa do saco de dormir molhada devido à condensação da própria transpiração.

 

EFICIÊNCIA TÉRMICA

A eficiência térmica de um saco de dormir pode ser avaliada pela sua capacidade isolante em relação a seu peso, ou seja, se dois modelos oferecem a mesma proteção térmica, aquele mais leve será o mais eficiente (claro, desde que ambos os fabricantes tenham usado o mesmo protocolo de avaliação, o que é bastante controverso, como veremos adiante). Um dos recursos mais comuns para melhorar a eficiência é adaptar o desenho do saco de dormir ao contorno do corpo.

Os de desenho quadrado são menos eficientes que aqueles com o formato múmia – mais estreito nos pés e mais largos na região do tórax – já que esses últimos não deixam tanto volume de ar livre na parte interna, o que desperdiça calor do corpo. Outro recurso em sacos mais elaborados é evitar a troca de massas de ar do interior /exterior, colocando-se um colar térmico na região do tórax, ao longo do zíper e, principalmente, provendo um capuz para minimizar as perdas de calor pela cabeça (uma região do corpo onde ocorre a maior perda de calor).